28 de outubro de 2012

Exclusivo: conheça os segredos e curiosidades da idealização e construção de Santa Rita de Cássia, a maior imagem católica do mundo, erguida em pleno sertão potiguar

Maior imagem católica do mundo, localizada em Santa Cruz-RN

O dia 26 de junho de 2010 é histórico para os cerca de 37 mil habitantes de Santa Cruz-RN. Nesta data, foi inaugurado o santuário de Santa Rita de Cássia, que abriga a maior imagem católica do mundo. Do início ao fim da obra, foram exatos dois anos e 23 dias de trabalho, dedicação, fé e muito suor de centenas de santacruzenses devotos de Santa Rita de Cássia que, de maneira direta ou indireta, foram responsáveis por transformar o sonho em uma colossal realidade de 56 metros de altura, erguida no alto do Monte Carmelo.
Imagem de Santa Rita em fase de construção. Foto: Credígila Medeiros
Imagem de Santa Rita em fase de construção. Foto: Credígila Medeiros
A imagem desbancou em altura tudo que já havia sido construído, até então, no gênero católico no país, tais como o Cristo Redentor com seus 38 metros, a imagem de Padre Cícero no Juazeiro do Norte (CE) com 27 e até a famosa estátua da Liberdade que tem 46 metros. Assim é Santa Rita de Cássia, que só perde em grandiosidade para a própria história que tornou possível sua existência. É um pouco desta história que iremos contar a partir de agora.

A GÊNESE: Como nasceu a idéia de construção da imagem de Santa Rita de Cássia
Credígila Medeiros é funcionária de uma rádio local em Santa Cruz. Ela foi testemunha ocular de todo o processo, já que trabalhou na cobertura de construção da imagem de Santa Rita de Cássia. “Tenho um projeto sobre a história da cidade e a parte que narra a construção do santuário tratarei de forma especial porque acompanhei tudo de perto”, disse Credígila. Segundo ela, a ideia nasceu em 2007, quando o então prefeito Tomba, pensou em fazer algo que chamasse a atenção dos moradores de Santa Cruz e também daqueles que passassem pela cidade.
Tomba pensou inicialmente em colocar uma grande placa com letreiro no alto do Monte Carmelo e, com esse pensamento na cabeça, foi procurar o padre Aerton. O religioso então sugeriu a construção de uma imagem de Santa Rita de Cássia, já que era a padroeira da cidade e o povo tinha por ela uma enorme devoção. Tomba aceitou de imediato a sugestão, entretanto, nem ele, nem o padre Aerton imaginavam construir a maior imagem católica do mundo. Somente ao levar a idéia para a arquiteta Adriana Alves é que foi desenhado e imaginado algo que ficasse proporcional ao tamanho e imponência do Monte Carmelo.
Armação de madeira usada na fabricação dos moldes.Foto: Rádio Santa Cruz

Com a idéia na cabeça e o projeto debaixo do braço, Tomba embarcou para Brasília em busca de recursos que viabilizassem a construção do monumento. No Ministério do Turismo, conseguiu três milhões de reais. O valor total da obra chegou aos quatro milhões. O restante do dinheiro foi disponibilizado pelo Governo do RN. Ao voltar de Brasília, o prefeito procurou um escultor, mas, não era um simples profissional. O arquiteto, escultor e professor da Universidade Federal da Paraíba, Alexandre Azedo Lacerda foi um dos grandes responsáveis pela atual forma da imagem de Santa Rita. Foi dele o processo de moldagem da escultura.   Alexandre também projetou a estátua de Frei Damião em Guarabira (PB) e é filho de Armando Lacerda Marfden, escultor da estátua de Padre Cícero em Juazeiro (CE), de 27 metros de altura.

Começa a construção dos moldes
Diferentemente do Cristo redentor, que é feito de pedra sabão, a imagem de Santa Rita foi construída através a uma técnica conhecida como moldagem. Estes moldes começaram a ser fabricados em janeiro de 2008, pelas mãos mágicas do escultor Alexandre Azevedo. O processo aconteceu bem longe do Monte Carmelo, em galpões lá em baixo no bairro conhecido como Paraíso. A imagem foi moldada por partes. Primeiro era feito uma grande estrutura em madeira (foto). Depois, o escultor utilizava argila para fazer os moldes e dar forma à estátua. Cada peça tinha um metro quadrado de comprimento e era revestida em gesso. Após concluídas elas foram levadas em caminhões até o local onde seria erguida a imagem. Os moldes serviam apenas para dar forma ao concreto e depois eram retirados. Eles eram enumerados e postos na ordem e o concreto armado era  colocado dentro das peças.Outra diferença entre o Cristo do Rio e a Santa Rita do Trairi é a parte interna. No Cristo há um sistema de elevadores e escadas por dentro da imagem que possibilitam o acesso até as suas partes mais altas. Já a estátua de Santa Rita não dispõe desse sistema.
Moldes revestidos em argila. Homem de boné foi o escultor do projeto
foto: Larissa Rayane

Inicio do projeto de construção foi destaque no G1 em 2008
Credígila Medeiros foi nossa fonte principal de pesquisa, mas sua importância na história do santuário de Santa Rita de Cássia vai muito mais além. Graças a ela, o país e até o mundo tomou conhecimento que estava sendo construída em Santa Cruz, em pleno sertão potiguar, a maior imagem católica do mundo. Credígila enviou uma matéria sobre o assunto ao G1, que a publicou integralmente em sua página principal no dia 06 de maio de 2008. Após isso, vários sites pelo Brasil afora divulgaram o projeto. No período em que a matéria foi ao ar no G1, apenas os moldes estavam sendo fabricados e a obra ainda estava em fase de licitação.
Imagem feita em computador simulou como
 ficaria o projeto quando concluído
 (Foto publicada pelo G1 em maio de 2008)

 A CONSTRUÇÃO: E Deus disse: haja em pleno sertão potiguar, a maior imagem católica do mundo.
A construção da imagem propriamente dita no Monte Carmelo durou dois anos e 23 dias e começou em junho de 2008. A empresa responsável foi a A Gaspar. A construção empregou cerca de 150 pessoas, quase todas trabalhadores naturais de Santa Cruz. Na fase de construção  houve uma acentuada geração de empregos diretos e indiretos. Depois da inauguração surgiram vários hotéis, pousadas e restaurantes. Isso exigiu uma melhoria na qualidade dos serviços prestados. Era preciso melhor atender ao turista e se adequar as exigências do mercado que ora surgia em Santa Cruz.
Estátua em fase de construção. Na foto é possível
visualizar bem a Palma e a Cruz em  aço inox
Foto: Credígila Medeiros
Números colossais
A imagem tem incríveis 56 metros de altura, sendo seis do pedestal, 42 da santa  e oito do resplendor, que é uma espécie de coroa colocada acima da cabeça. Só na base foram gastos mil sacos de cimento. Outros paramentos são a Palma e a Cruz, que estão nas mãos da imagem. Eles são feitos em aço inox e refletem a luz do sol. A palma tem 11 metros e a Cruz 10 e são um espetáculo a parte para os olhos sempre atentos dos turistas. Acho que todo santacruzense tem orgulho do santuário, mesmo não sendo católico. É algo que deu e tem dado visibilidade ao município. Qualquer um que conheça realmente fica encantado, seja pela devoção a Santa Rita ou pela magnífica obra de arquitetura”, disse Crédígila ao V&C.
Parte da cabeça de Santa Rita de Cássia;
resplendor ainda estava sendo construído
Começo da obra em junho de 2008
foto: Credígila Medeiros
Criatura e criador: imagem em fase de construção
 com o escultor Alexandre Azevedo
Foto: Credígila Medeiros


Altura demais, divulgação de menos
Os imponentes 56 metros de altura da imagem de Santa Rita de Cássia contrastam com sua falta de publicidade e divulgação. Apesar da importância, o santuário de Santa Rita ainda é pouco conhecido fora do RN e é preciso mudar esse quadro. Quem vai até a imagem de Santa Rita se encanta, sai deslumbrado com o que viu e não guarda esse encantamento só para si. Por este motivo, propaganda boca a boca tem sido a principal forma de divulgação do santuário. O Governo do RN investe pouco ou quase nada nesse aspecto. Com um bom trabalho de publicidade em torno do santuário, quadruplicaríamos os atuais 45 mil turistas que visitam Santa Cruz todos os meses. Isso alavancaria o desenvolvimento do município e impulsionaria o turismo gerando empregos para a População.O RN não é só dunas e praias. Explorar o potencial turístico do santuário de Santa Rita de Cássia, em Santa Cruz, significa fortalecer a interiorização dessa atividade do estado.
Topo da cabeça, ainda sem o resplendor: foto Credígila Medeiros

O teleférico vem aí
Durante o tempo em que colhíamos informações para a elaboração desta matéria, o ministro do Turismo, Gastão Vieira, visitou a imagem de Santa Rita de Cássia. Apesar de não prometer nada, Gastão disse que seu ministério ia analisar a viabilidade técnica para a instalação de um teleférico ligando a cidade de Santa Cruz ao Monte Carmelo. A visita ocorreu no dia 14 de setembro.

Italianos visitam Santa Cruz e reconhecem a importância religiosa do santuário de Santa Rita de Cássia
Em março deste ano, uma delegação da cidade de Cássia, na Itália, veio a Santa Cruz conhecer o santuário e a maior imagem católica do mundo. O grupo de italianos era composto por 11 pessoas, entre elas, o prefeito de Cássia, Gino Emile, além do Reitor da Basílica de Santa Rita de Cássia, na Itália, padre Mario di Santis, da congregação dos Agostinianos. Eles ficaram encantados com o que viram. Logo após a visita, as paróquias de Santa Rita de Cássia em Santa Cruz e a sua homônima na Itália se tornaram oficialmente irmãs.


CONFIRA OUTRAS FOTOS DA IMAGEM DE 
SANTA RITA DE CÁSSIA EM SANTA CRUZ-RN
Visão da mão direita e parte da Praça dos Romeiros
Foto: Credígila Medeiros

Cidade de Santa Cruz vista do alto da imagem de Santa Rita
foto: Credígila Medeiros
Imagem noturna da santa ainda em fase de construção
Foto: Credígila Medeiros

Ilustração mostra o tamanho da estátua de
Santa Rita em comparação a outras imagens
Uma das peças da imagem sendo emoldurada em argila
foto: Rádio Santa Cruz
Mão esquerda segura a palma de 11 metros.
Abaixo fiéis contemplam a estátua
Foto: Credígila Medeiros
Fiéis olham pro alto e admiram a beleza de Santa Rita
Foto: Credígila Medeiros


 V&C Artigos e Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário